terça-feira, 14 de setembro de 2010

Sinto, logo escrevo!


Desde criança os símbolos do alfabeto me intrigavam. Entender as letras foi como iniciar uma caminhada. Transcrevê-las, uma dádiva.

Minha mãe usava a escrita como estratégia de aprendizado, solicitando a cada ato impensado uma redação reflexiva. Entre uma atitude e outra, a escrita sempre me acompanhou e por meio de seus significados ganhei consciência. Criei vinculo com a escrita e percebi que ela poderia organizadamente dizer, o que até hoje minha fala não transparece.

A escrita convida-me a pensar, estruturar, dar inicio e fim. Encontrei nela identidade e por meio do seu uso em 1995 escrevi a primeira vez meu nome e este foi nosso primeiro encontro: mente, mão, lápis, papel e Monique. Não nos deixamos mais!

Frente a elas, eu as quero e elas precisam de mim para ter vida. Quando formulamos uma frase somos responsáveis pelo seu significado.

O encanto com a escrita me fez passar por cima do equívoco de alguns professores e risada dos colegas. Não tive medo, pois certa vez, em uma cópia, escrevi: "Errar é o caminho para acertar". Daí em diante, tirei sempre o melhor das pessoas, sem dar importância aos aspectos que a mim não faziam bem.

Quando adolescente, transbordei em desenhos, pois na velocidade dos meus hormônios, palavras ficariam pela metade. Agora que eles estão tranquilos, mato a saudade de forma mansa, transcrevendo sempre esta erupção de pensamentos e ideias.

domingo, 22 de agosto de 2010


Da janela, enxergo a vida...
Uma abertura simples capaz de inundar os olhos de luz, ou então acolher-me no escuro.
Fico a pensar... Tenho tantos sonhos e vontades a realizar, desejo envolver o mundo em um abraço carinhoso.
Percorrer a trajetória, feliz, sem deixar que ninguém derrube meu castelo de cartas.
Dar bom dia aos pássaros.
Boa noite a lua.
Ir e vir, sorrir lá e cá, fazer a diferença aqui.
Voltando a janela posso ver, árvores de vários tamanhos e tons, intercalados por grades, que separam-me do que há de vir.
Olhando o céu me sinto estrela, brilhando humildemente no seu espaço, sendo apenas um pontinho na terra.
Agradeço por estar protegida. Mas uma hora ponho a gratidão em minha bagagem e saiu por aí a procura de novas janelas, com novas paisagens e com o mínimo de grades, para que o ar entre sem pedir licença e sinta a textura do meu sorriso.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Mais uma ilusão em vão! Vi o perigo, e confesso, nem ligo!
Vão se algumas lágrimas, que apenas abrem vaga para uma dose de sorriso!
Digo, não se engane com o que vê, pois atrás dessa muleca há o reflexo de você!
Rodopio de coração e braços abertos, aviso, não esqueça dos meus olhos espertos!
Verei até onde valho pra você, sem preocupação, pois o valor que dou a mim supera qualquer fim!
O desafio continua, só saia das alturas!
Tenho chão forte e se quiser mesmo vir a mim, use da verdade e não de macetes.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Estalo

Por algum segundo tudo se embaralhou, recomeçou como a partida de um jogo de baralho, onde cada carta é um mistério.
Notei algumas frustrações, que de maneira alguma queria estar sentindo. Choro e desabafo em palavras, elas não me questionam , não me julgam, elas me apoiam sem fazer grandes alarmes.
Sentia meu peito ainda apertado em ver a vida tomando rumos sem me consultar, afastando-me do que eu queria ver e viver. Nessa hora, em meu ombro bateu a sabedoria, dando-me um abraço, explicando sem comunicação: Você vai ficar bem...
Porem, da mesma maneira que me derramei em palavras ocultando as lágrimas, estas brigavam por brechas em meus olhos, dificultando a visão.
Me perguntei: e o acontecer naturalmente? ...caí no meu esquema, respirei... me conformei. Busquei a sanidade dos meus pensamentos teóricos.
Desçí.
Dei o primeiro passo fora da nuvem mas a vontade é apenas de adormecer nela!
Quis você respirando no mesmo lugar que eu...
Seguí a caminhada...
com pedaços que a nuvem deixou em mim.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Um Sonho




O céu já tinha sido dominado pelas escrelas,
a noite era agradável...
Duas almas semelhantes puderam compartilhar
de um momento deslunbrante onde somente o silêncio,
a calmaria das águas e as luzes que se encontravam longe
puderam acompanhar ,
aquele encontro repentino e esperado ao mesmo tempo
abriu muitos sorrisos, olhares...
O tempo de tão encantado esqueceu de passar e quando
se deu conta de sua tarefa, haviam passado horas.
E entre as almas algo nasceu independente
de água ou boa terra para cultivo...
Nasceu simplismente por estar vivo.



Ai acordei... E a lembrança do sonho continuou viva.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Abrindo Janelas


De uns tempos pra cá quando recebo uma crítica, dou a ela a oportunidade de me ajudar ou não.

Um fato fez com que eu recorresse o real significado da palavra 'Egoísmo' e no dicionário dizia o seguinte: " Sentimento ou atitude de excessivo apego aos próprios interesses em detrimento dos interesses dos outros."

Fiquei alguns segundos em silêncio, algumas lágrimas correram e um filme passou na minha mente. Algumas pessoas já devem ter sentido isto. sabe quando você não tem o dever de amar alguém, mas ama... E não é qualquer amor, é algo incondicional e transparente, visível a quem quiser ver, um amor que não pede nada, não julga, nem questiona, apenas ama...

Sabe quando você se doa pra cuidar de alguém por amor? Fica com ela do anoitecer ao amanhecer sem pensar em um dia pedir retorno.

Sabe quando ninguém quer saber o que você tem a falar, mas num ato compulsivo você acaba despejando e contando tudo aquilo que viveu e compartilhou com alguém...

Saindo desse mérito, volto a lembrar do egoísmo. Paro frente ao espelho, após um olhar profundo para o reflexo, afirmo: Sim, tive momentos egoístas. Assumo.

Mas pergunto ao seres humanos: Você nunca foi egoísta? Que se pronuncie aquele que está nesse mundo, que tenha alcançado tamanha perfeição. Agradeço a Deus por momento como esse, onde eu pego a crítica, olho pra ela, vejo se enxergo em mim e posso assim dar mais um passo a frente com fé de não tropeçar no mesmo erro.
Hoje quero acordar dos vícios mundanos, romper o casulo dos hábitos diários, mergulhar nas minhas habilidades e responsabilidades, quero acordar nas manhãs com sede de mudança, mudança de dentro pra fora. Quero a desacomodação como sombra, quero tudo que me empurre até eu conseguir por minha conta seguir sozinha, sem parar, nem diminuir os passos, quero irradiar energia de progresso, se palavras tem energia, por favor, traga-me um curto circuito que se possível me atire longe!
Até quando serei prisioneira das necessidades físicas?
Por que sempre faço coisas em cima da hora, pressionada, sendo que este segundo já era minha ultima chance, não quero mais contar com o amanhã, quero resolver hoje, fazer hoje! Agora! Imaginar obstáculos onde não há, até quando? quem sabe o reflexo do espelho seja meu maior problema e também minha mais perfeita fonte de soluções! Bem vinda ao mundo Monique.

Eiii !

Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se achar, segure-o!
Fernando Pessoa